Sem resposta da Energisa em relação a Tacuru, Régis recorre ao Procon

Presidente da Câmara buscou apoio o órgão para convocar audiência pública com a participação da concessionária de energia em Tacuru.
O presidente da Câmara, vereador Régis Viudes (e) durante audiência com o superintendente estadual do Procon/MS Marcelo Monteiro Salomão. Na pauta pedido de apoio para audiência pública com a Energisa em Tacuru e a instalação de uma unidade do Procon no município. (Fotos: Divulgação)

Vilson Nascimento

Sem resposta da Energisa em relação a um ofício protocolado no dia 18 deste mês em nome da Casa de Leis e da população do município, onde pedia explicações e uma posição da empresa em relação ao aumento repentino na conta de energia dos munícipes, o presidente da Câmara Municipal de Tacuru, Régis Viudes, o “Professor Régis”, recorreu ao Procon.

Durante reunião com o superintendente estadual do Procon em Mato Grosso do Sul, Marcelo Monteiro Salomão, na tarde dessa quarta-feira, 30 de janeiro, em Campo Grande, o presidente da Casa de Leis pediu a intervenção do Procon/MS para a realização de uma audiência pública em Tacuru com a presença de representantes da Energisa para que a concessionária se explique pessoalmente perante as autoridades locais e a população tacuruense em relação as supostas cobranças abusivas na conta de luz.

“Após não sermos atendidos pela Energisa, fomos muito bem recebidos pelo superintendente do Procon, Marcelo Salomão que se colocou a disposição para intervir para que essa audiência pública venha a acontecer em nossos município”, disse Régis Viudes.

Unidade do Procon em Tacuru

Durante a reunião com o superintendente do órgão estadual de defesa do consumidor na tarde dessa quarta, o presidente da Câmara, vereador Régis, também solicitou a Marcelo Salomão, a instalação de uma unidade do Procon em Tacuru.

“Á pedido do superintendente elaboramos um oficio pedindo formalmente a instalação do Procon em Tacuru e é bem provável que consigamos essa importante conquista para o município e  nossa população”, disse Régis.