Proposta de CNH Social em Amambai é discutida e encaminhada ao governo

Reunião realizada pelo Detrat e Cetran/MS com órgãos ligados ao trânsito elabora propostas para o município

Nesta quarta-feira, dia 27, o Departamento de Trânsito de Amambai (Detrat) recebeu a presidente do Conselho Estadual de Trânsito do MS (Cetran-MS), Regina Maria Duarte, para a realização de  reuniões e palestras no município. Um dos encontros realizados com órgãos e instituições ligados ao trânsito definiu duas propostas que foram encaminhadas para o governo. Uma é a implantação da CNH Social para moradores de baixa renda e outra é a possibilidade do governo, na destinação de verbas, priorizar os municípios que possuem departamentos de trânsito atuantes.

CNH Social

Obter a Carteira Nacional de Habilitação nos dias de hoje, requer muito mais do que estudo e dedicação. O brasileiro também necessita ter uma condição financeira razoável. Em Amambai, a habilitação para carro e motocicleta custa na faixa de R$ 2.500,00 . Alguns centros de formação de condutores oferecem como formas de pagamento, o parcelamento no cartão, boleto ou nota promissória, mas da mesma forma, o trabalhador ainda sofre para pagar as parcelas durante vários meses.

A proposta da CNH social, segundo o Superintendente do Detrat, José Luiz Karasek, foi criada pensando nestas pessoas que não possuem condições financeiras para pagar todas as aulas e exames exigidos. Nas aldeias do município é comum ver moradores utilizando carros e motos sem possuir habilitação e nem condições para pagá-la.

“Esta proposta foi elaborada pensando nas comunidades indígenas, que hoje representam 1/3 da população de Amambai e tem dificuldades para conseguir pagar uma habilitação”, explicou Karasek.

A presidente do Cetran/MS, Regina Maria Duarte, se comprometeu em levar o tema para discussão no governo do estado. “Vamos tentar! Quem sabe Amambai não será pioneira no estado na implantação da CNH Social”, comentou.

Verbas

Outra proposta elaborada durante a reunião pede que o governo do estado priorize os municípios que possuem um trabalho atuante no trânsito, na destinação de verbas. “ Não adianta obter recursos para instalação de novas sinalizações e projetos, se por exemplo, no município não há um trabalho voltado à área”, comentou a presidente do Cetran/MS.

Participaram da reunião representantes do Detran, Polícia Militar, Corpo de Bombeiros, Taxistas, Moto Taxistas, membros da Junta Administrativa de Recursos de Infrações(JARI), o vereador Luciano Maurício e os secretários municipais.

Outros Assuntos

Durante a reunião, também foram tratados de temas como as lombadas eletrônicas, plano de mobilidade urbana, recurso para multas, educação para o trânsito entre outros assuntos.

Raquel Fernandes/Grupo A Gazeta