Procon Estadual notifica Energisa a prestar esclarecimentos por não atender reclamações

O Procon Estadual se pronunciou por meio de uma reportagem no site do órgão que notificou a Energisa a explicar as razões pelas quais tem elevado de forma até abusiva, os valores da tarifa de energia elétrica, na Capital e, principalmente, nos municípios do interior do Estado.

 

Segundo trecho da matéria, o desinteresse demonstrado pela Energisa, em relação às reclamações de consumidores de energia elétrica notadamente nos  municípios do interior do Estado e a falta de atenção às demandas  encaminhadas pelos gerentes dos procons municipais à empresa distribuidora,  está  gerando descontentamento generalizado o que motivou pedido de providências junto à Superintendência para Orientação e Defesa do Consumidor – Procon/MS, órgão vinculado à Secretaria de estado  de Direitos Humanos, Assistência Social e Trabalho – Sedhast.

 

A notificação fixa prazo de dez dias, a partir de quarta-feira (16) para que sejam feitos os esclarecimentos e entregues os documentos que possam justificar a majoração, sob pena de ser instaurado processo administrativo. A mesma notificação determina à direção local da empresa de energia elétrica que corrija imediatamente as distorções verificadas e proceda o ressarcimento com a devolução dos valores em dobro a cada consumidor prejudicado, emitindo novas faturas com os valores corretos.

 

A matéria assinada por Waldemar Hozano, da Superintendência para Orientação e Defesa do Consumidor, afirma que “a Energisa tem sido uma das empresas como maior número de reclamações tanto no Procon Estadual como nos municipais, e cuja resolutividade fica aquém do que poderia ser considerado razoável, não existindo um canal de comunicação eficiente entre a empresa e o órgão de defesa do consumidor”, afirma Salomão.

 

A reclamação dos Procons municipais é generalizada e, segundo os diretores dos órgãos nos municípios do interior, “há demonstração de má vontade quando procuramos contatos com representantes da empresa para encaminhar demandas de consumidores. A Energisa demonstra não ter interesse em ter um canal direto de comunicação com os órgãos de defesa o consumidor”, segundo os gerentes municipais.



Fonte: JNova