Meteorologia prevê chuva, frio intenso e novas geadas para esta semana em Amambai e região

A primeira geada registrada no dia 29 de junho (na foto) foi a mais forte do ano. Segundo a meteorologia, caso as previsões se confirmem a geada prevista para este dia 30 poderá ser ainda mais intenda. (Foto: Vilson Nascimento)

A meteorologia prevê chuva seguida de frio intenso para esta semana em Amambai e toda a região. 

De acordo com o Clima Tempo, a chuva deverá começar a cair nesta terça-feira, 27 de julho, trazendo com ela brusca queda de temperatura. 

A previsão é de geada e temperatura variando entre 3 e 14 graus na quinta-feira, dia 29, e frio ainda mais intenso para a sexta-feira, dia 30, quando dos termômetros deverão variar entre 0 e 16 graus. 

Para o sábado, ultimo dia de julho, as temperaturas deverão começar a subir, mas ainda com previsão de geada. Já para o domingo, dia 1º de agosto, segundo a previsão meteorológica divulgada neste domingo, 25 de julho, será de mínima de 8 e máxima de 26 graus. 

De domingo (1) para frente, segundo a previsão meteorológica, as temperaturas deverão se manter em elevação e não deverá voltar a chover em Amambai e região até pelo menos o dia 7 de agosto. 

Segundo o Clima Tempo deverá chover a partir desta terça-feira (27), mas o frio volta com força, trazendo novas geadas e temperatura de zero grau a partir de quinta-feira, 29 de julho, para Amambai e região. 

Terceira frente fria 

Caso se confirme a previsão para esta semana, essa será a terceira frente fria intensa com formação de geadas a atingir Amambai no ano, feito que não acontecia há vários anos. 

A primeira grande geada registrada em 2021 aconteceu no final do mês de junho e causou grande impacto no campo, inclusive comprometendo em larga escala da produtividade do milho safrinha. 

Na primeira geada registrada no ano e também a mais forte até agora, os termômetros registraram no final da madrugada temperatura de 1 grau positivo, mas com sensação térmica de menos 2 graus. 

A segunda frente fria com geadas, porém em escala menos intensa, foi registrada em meados do mês de julho. 

Fonte: Vilson Nascimento/ Grupo A Gazeta