Aos 54 anos, produtor rural de Caarapó se prepara para correr 100 km

Momento que José Carlos Frenhan chegava a Amambai após completar o percurso entre Amambai e Caarapó na manhã desse domingo (1). Meta agora é correr 100 km. (Fotos e vídeo: Vilson Nascimento)

Um produtor rural de Caarapó está se preparando para superar um desafio pessoal. Correr 100 quilômetros.

José Carlos Frenhan, hoje com 54 anos, começou a se interessar e treinar para corridas pedestres aos 47 anos.

Quando completou 51 anos, José Carlos superou seu primeiro desafio, que foi correr 51 quilômetros.

De lá para cá, com apoio da família, de profissionais de educação física e de nutricionista, ele começou a se preparar para um novo desafio. Correr 100 quilômetros.

Dentro da fase de preparação, José Carlos, que já correu a tradicional Corrida de São Silvestre e duas edições da Maratona Internacional de São Paulo, fez pela primeira vez, no primeiro semestre deste ano, o percurso de mais de 70 quilômetros entre Caarapó e Amambai.


Nesse domingo, 1 de setembro, ele voltou a realizar a façanha. Com respaldo de sua equipe de apoio, ele saiu de Caarapó às 4h da madrugada e, mantendo uma velocidade média entre 11 e 13 km/h, às 11h40 chegou na Praça Coronel Valêncio de Brum, no coração da cidade, em Amambai.

Na chegada, após conceder entrevista à reportagem o grupo A Gazeta  José Carlos Frenhan passou pelo ritual pós-percurso de longa distância para recuperar e descansar a musculatura, que inclui inclusive permanecer por determinado tempo dentro de um tonel de água com gelo.

Objetivo é despertar o interesse para vida saudável

Segundo José Carlos Frenhan, além de uma conquista pessoal, seus desafios também tem outros objetivos, que é despertar, independente da idade, o interesse das pessoas em buscar levar uma vida saudável, praticando esporte e buscando ter uma boa alimentação.

Segundo José Carlos Frenhan ele pretende completar o desafio de correr 100 quilômetros sem parada ainda neste ano de 2019.

O ultramaratonista com sua equipe de apoio e no pós-percurso. Ritual de recuperação inclui inclusive mergulho em tonel de água com gelo.  

Fonte: Vilson Nascimento / Grupo A Gazeta